15 de Junho de 2024

Argentinos buscam alimentos no lixo para não morrer de fome

País passa por sua pior crise econômica em décadas

Terça-feira, 12 de Março de 2024 - 14:03 | Redação

imagem
Argentinos buscam alimentos no lixo para não morrer de fome
Manifestantes argentinos contra fome (Foto: Diagonales).

Sandra Boluch, vendedora de frutas e verduras em Buenos Aires, está observando tendência preocupante à medida que a inflação na Argentina atinge mais de 250%: vendas em queda e mais pessoas pegando o que ela joga fora, na esperança de encontrar o suficiente para uma refeição.

O país está passando por sua pior crise econômica em décadas, com o novo governo do presidente Javier Milei tentando conter a inflação de três dígitos com medidas de austeridade severa, o que está impulsionando as finanças do Estado, mas também pressionando a população.

Estudo feito no mês passado mostrou que a pobreza na Argentina estava próxima de 60%, em comparação com os 40% do ano anterior, pressionando os planos de reforma e os cortes de gastos de Milei para que apresentem resultados rápidos, uma vez que a insatisfação cresce em todo o país e as pessoas apertam o cinto para tentar sobreviver.

"Temos alguns contêineres nos fundos onde o lixo é descartado e, quando você vai com uma caixa, vê 20 pessoas vindo para ver o que podem levar como prato de comida para a mesa delas", disse Boluch, acrescentando que isso já havia acontecido antes, mas que agora vê número muito maior de pessoas.

"A verdade é que é algo muito difícil, muito triste, porque há muitas pessoas e muitos  idosos."

Milei, enfrentando uma crise que herdou, tem implementado algumas medidas duras para combatê-la, incluindo cortes dolorosos nos gastos do Estado, como subsídios para serviços públicos e transporte, ao mesmo tempo em que procura simplificar os programas de bem-estar social.

Seu governo desvalorizou o peso em mais de 50% em dezembro, o que aumentou ainda mais a inflação. Os preços, mesmo em dólares, começaram a subir, e os argentinos de todas as classes sociais estão se sentindo prejudicados.

"A situação é muito grave", acrescentou Boluch. "As pessoas estão levando menos quantias, suas carteiras estão realmente sofrendo."

O governo divulgará os dados da inflação de fevereiro ainda nesta terça-feira, com estimativas de que o aumento mensal será de cerca de 15,3%, abaixo dos 20% de janeiro e dos 25% do mês anterior. Anualmente, o índice permanecerá acima de 250%.

No entanto, Milei disse que março pode ser "complicado" e que os sinais na economia parecem sombrios, com queda nas vendas, na atividade e na produção, enquanto as medidas de austeridade reduziram as pensões, os salários do Estado e o investimento público.

Agência Brasil

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade