05 de Março de 2024

Presidente dos Correios diz que modelo de monopólio é insustentável

Quinta-feira, 11 de Maio de 2017 - 14:41 | Redação

imagem O presidente dos Correios, Guilherme Campos, afirmou hoje (11), em audiência pública na Câmara dos Deputados, que a situação financeira da empresa ainda é muito delicada. Segundo Campos, na última década, a empresa só não registrou deficit no resultado operacional em cinco anos. Ele adiantou que o ano de 2016 deve registrar novo prejuízo. “A dramaticidade dos números dos Correios é muito forte. Nós tivemos em 2015 prejuízo de R$ 2,1 bilhões. O ano de 2016 não é diferente disso, é um ano onde se coloca mais um prejuízo – o número não está fechado, mas também é da ordem de R$ 2 bilhões”, disse. Os Correios têm cerca de 11 mil agências (entre próprias, comunitárias e franqueadas) instaladas em 5.570 municípios brasileiros. Há 354 anos, a empresa detém o monopólio dos serviços postais do país. Atualmente, os Correios tem 117 mil funcionários, sendo mais de 60 mil, carteiros. Para Campos, a crise nos Correios é decorrente das transformações tecnológicas que alteraram a forma de comunicação e afetaram as empresas do setor em todo o mundo. Ele avaliou que o modelo de monopólio é insustentável e precisa ser modernizado. Campos voltou a apontar a retirada de mais de R$ 6 bilhões do caixa da empresa para antecipação de dividendos ao Tesouro, entre 2007 e 2013, como uma das causas para o agravamento da dificuldade financeira. E citou ainda a recente greve nacional promovida pelos funcionários entre os dias 26 de abril e 9 de maio. Segundo Campos, a paralisação resultou em prejuízos de pelo menos R$ 6 milhões por dia. O presidente da estatal elogiou a decisão dos trabalhadores de encerrar a greve nacional e disse que várias ações para minimizar os prejuízos já estão sendo tomadas. Empregados No entanto, para o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios, José Rivaldo da Silva, as medidas tomadas pela direção da empresa não são suficientes e seguem na direção da privatização da empresa. O representante dos empregados disse ainda que a decisão de voltar ao trabalho não é um recuo e que os sindicatos querem continuar promovendo ações para discutir formas de retomar o crescimento da empresa. “Iniciamos o movimento de greve dando um recado de que não vamos pagar essa conta. E paramos a greve porque entendemos que era necessário parar naquele momento, mas não recuamos não. Não queremos discutir retirada de direitos, queremos discutir a retomada do crescimento, a criação de novos serviços e a recuperação da empresa”, disse Rivaldo. O sindicalista criticou as indicações políticas para cargos de gestão da empresa e a decisão da presidência de suspender as férias dos funcionários e de cancelar serviços como o e-Sedex. Rivaldo ainda classificou de assédio o anúncio do programa de demissão voluntária – que deve reduzir o número de funcionários para 113 mil –, e a redução de benefícios como a possibilidade de perda do custeio do plano de saúde pela empresa. Dieese O supervisor técnico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Max Leno, também contestou o argumento de déficit apresentado por Campos. Ele apresentou dados que mostram que, entre 2011 e 2016, a despesa e a receita total dos Correios cresceram 53,5% e 32,8%, respectivamente. Leno explicou que a retração dos Correios começou em 2015 com a forte crise que afetou a economia brasileira e a capacidade de investimentos das grandes empresas do país. O economista afirmou ainda que medidas para redução de gastos tiveram maior impacto no deficit registrado em 2015 e que a despesa com pessoal está dentro da média mundial apresentada pelo segmento postal. A crise na empresa tem sido tema de debate em diferentes comissões na Câmara com a presença de representantes de diferentes sindicatos de trabalhadores, especialistas e integrantes da empresa. O próximo debate deve ocorrer na Comissão de Direitos Humanos.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade