24 de Julho de 2024

Lava Jato negocia acordo de delação com operador do PT

Segunda-feira, 30 de Abril de 2018 - 08:59 | Redação

imagem
Lava Jato negocia acordo de delação com operador do PT

Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de retirar trechos da delação da Odebrecht, que atingiriam o ex-presidente Lula (PT), da competência do juiz federal Sérgio Moro, os procuradores da Lava Jato tentam agora fechar um acordo de delação premiada com o ex-diretor da Petrobras, Renato Duque.

Apontado como operador do PT, Renato Duque já se tornou, conforme informações do jornal O Globo, colaborador da força-tarefa em um acordo internacional, mas agora deve ajudar nas investigações também no Brasil.

Ao que tudo indica, o acordo com Duque foi acelerado pela readequação da delação da Odebrecht sobre as reformas do sítio de Atibaia e a compra do terreno onde seria construída a sede do Instituto Lula. Essa delação agora não está mais nas mãos de Moro – o que é agradável para a defesa de Lula.

Com as informações repassadas por Duque, no entanto, a Justiça de Curitiba voltaria a ter provas que atingem diretamente o ex-presidente petista, compensando a "lacuna" causada pela decisão do Supremo nas investigações.

Duque é apontado como o principal operador do PT no esquema envolvendo a estatal, e seria responsável por recolher propinas durante todo o governo Lula e em parte da gestão de Dilma Rousseff.

Ainda segundo o jornal O Globo, o ex-diretor tornou-se um “ativo” nas investigações por guardar em seus arquivos um amplo conjunto de provas documentais que reforçariam o elo entre o PT, os ex-presidentes e os repasses da Odebrecht.

Renato Duque foi condenado por Moro - O juiz federal Sérgio Moro condenou, em agosto do ano passado , o ex-chefe da Área de Serviços da estatal a 10 anos e 8 meses de prisão por crime de corrupção passiva, cometido em sete episódios relacionados a contratos da estatal petrolífera com a construtora Andrade Gutierrez.

Essa já é a sexta condenação de Renato Duque no âmbito da Operação Lava Jato. Somadas, as penas já alcançam 73 anos e 7 meses de cadeia.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade