05 de Março de 2024

Como lidar com a ansiedade dos filhos na volta às aulas

Especialista explica quais são os limites entre o nervosismo natural e a ansiedade

Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2024 - 16:59 | Redação

imagem
Como lidar com a ansiedade dos filhos na volta às aulas

Glaucia Guerra Benute *

Fevereiro se inicia e a vida escolar volta à rotina após as férias. Para muitas crianças e adolescentes esse é um momento difícil. A troca de sala, novos amigos e professores e até uma outra escola. Um misto de tensão e nervosismo é natural, mas o retorno às aulas remete ao contato direto com a incerteza sobre esta nova fase. 

A coordenadora do Curso de Psicologia do Centro Universitário São Camilo, Glaucia Guerra Benute, falou sobre até que ponto o nervosismo para o retorno à vida escolar pode se tornar um problema de saúde para os estudantes.

Segundo ela, quando a escola é nova, o sentimento despertado pode ser ainda mais intenso, pois nada é conhecido: o ambiente, os processos, os colegas e os professores, A preocupação e a angústia são esperadas, mas em algumas pessoas o nível de ansiedade despertado pode ultrapassar o limite do que pode ser tolerado ou superado.

“As expectativas podem ser as melhores, mas quem na verdade consegue saber o que esperar do que é novo? Mesmo que o ambiente seja o mesmo e que a decoração não tenha mudado, quem serão os colegas e amigos de turma, como será o professor, qual será o meu desempenho no novo processo... são tantas dúvidas que podem gerar angústias intensas. Identificar os sintomas e reconhecer os sentimentos despertados é de suma importância para o cuidado pessoal”, explicou.

Quando essa angústia começa a interferir nas atitudes, impedindo a criança ou o jovem de ir naturalmente à escola, ou quando ela começa a chorar e tem o comportamento alterado é um alerta.

De acordo com a professora Glaucia Benute, a ansiedade tem como sintomas a inquietação constante, os tremores, as dificuldade de concentração, a taquicardia e a sudorese, entre outros. 

“O acolhimento é sempre muito importante e também são necessários o diálogo, a escuta e a compreensão daquilo que está acontecendo com a criança”, afirmou. Os pais têm papel muito importante nessa fase e devem prestar atenção quando uma criança afirma ter medo de voltar à sala de aula. 

Minimizar esse pedido de ajuda pode até piorar a situação. Então, a escuta e o acolhimento são formas de auxiliar nesse processo. A orientação é que, no caso de persistência dos sintomas, o acompanhamento psicológico pode ser indicado.

* Glaucia Guerra Benute é coordenadora do Curso de Psicologia do Centro Universitário São Camilo

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade