22 de Maio de 2024

Telescópio James Webb captura imagens fantásticas de galáxias em espiral

O equipamento vem desvendando segredos cósmicos com imagens deslumbrantes

Sexta-feira, 09 de Fevereiro de 2024 - 16:34 | Redação

imagem
Telescópio James Webb captura imagens fantásticas de galáxias em espiral
Imagens reais de galáxias em espiral (NASA, ESA, CSA, STScI, Janice Lee (STScI), Thomas Williams)

Novas imagens capturadas pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês) mostram, em notáveis detalhes, 19 galáxias espirais relativamente próximas da nossa Via Láctea. Essas imagens oferecem novas pistas sobre a formação das estrelas, além da estrutura e evolução galácticas.

As imagens foram divulgadas nesta segunda-feira (29) por uma equipe de cientistas envolvida em um projeto chamado Física em Alta Resolução Angular em Galáxias Próximas (Phangs, na sigla em inglês), que opera em diversos observatórios astronômicos importantes.

A mais próxima das 19 galáxias chama-se NGC5068, a cerca de 15 milhões de anos-luz da Terra. A mais distante delas é a NGC1365, a aproximadamente 60 milhões de anos-luz. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano, o equivalente a 9,5 trilhões de quilômetros. Galáxias espiras, similares a enormes cata-ventos, são um tipo comum de galáxia. A nossa Via Láctea é uma delas.

O Telescópio Espacial James Webb foi lançado em 2021 e começou a coletar dados em 2022, remodelando a compreensão dos primórdios do universo e tirando fotografias maravilhosas dos cosmos. O observatório “olha” para o universo principalmente por infravermelhos.

As novas observações foram efetuadas pela Câmera Quase-Infravermelha (NIRCam) do Webb e pelo Instrumento de Infravermelhos Médios (Miri). Eles mostram aproximadamente 100.000 bolsões de estrelas e milhões ou talvez bilhões de estrelas individuais.

Telescópio James Webb captura imagens fantásticas de galáxias em espiral

“Esses dados são importantes porque eles nos dão uma nova visão da fase inicial da formação estelar”, disse o astrônomo da Universidade de Oxford, Thomas Williams, que liderou o processamento de dados das imagens da equipe.

“As estrelas nascem nas profundezas de nuvens de poeira que bloqueiam completamente a luz nos comprimentos de onda visíveis — ao que o Telescópio Espacial Hubble é sensível –, mas essas nuvens iluminam-se nos comprimentos de onda do James Webb. Não sabemos muito sobre essa fase, nem sequer quanto tempo dura na verdade, e por isso esses dados serão vitais para entender como as estrelas começam suas vidas nas galáxias”, continuou Williams.

Cerca de metade das galáxias espirais têm uma estrutura reta, chamada de barra, que sai do centro galáctico ao qual os braços espirais estão anexados.

“O pensamento comum é que as galáxias se formam de dentro para fora, então vão se tornando cada vez maiores ao longo de sua vida. Os braços espirais agem para varrer o gás que se transformará em estrelas, e as barras agem para canalizar esse gás em direção ao buraco negro central da galáxia”, acrescentou Williams.

Telescópio James Webb captura imagens fantásticas de galáxias em espiral

As imagens permitem que os cientistas distinguem pela primeira vez a estrutura das nuvens de poeira e gás das quais estrelas e planetas se formam em alto nível de detalhe. Isso pode ser feito em galáxias além da Grande Nuvem de Magalhães e da Pequena Nuvem de Magalhães, que são consideradas satélites galácticos da Via Láctea.

“As imagens não são apenas esteticamente espantosas, elas também contam uma história sobre o ciclo de formação e feedback da estrela, que são a energia e o impulso libertados por jovens estrelas ao espaço entre estrelas”, disse a astrônoma Janice Lee, do Instituto de Ciência do Telescópio Espacial em Baltimore, principal investigadora dos novos dados.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade