23 de Maio de 2024

Usuários de Ozempic têm risco maior de complicações em cirurgia

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023 - 05:56 | Redação

imagem
Usuários de Ozempic têm risco maior de complicações em cirurgia

Médicos anestesistas dos Estados Unidos e Canadá têm relatado aumento de complicações durante cirurgias em pacientes que fazem uso de medicamentos como o Ozempic.

A agência de notícias Associated Press ouviu especialistas que falaram sobre casos de pessoas que tomam os chamados agonistas do receptor de GLP-1 (peptídeo semelhante ao glucagon-1), seguiram as orientações médicas de ficar em jejum de seis a oito horas antes da cirurgia, mas que inalaram alimentos e líquidos em seus pulmões durante a sedação porque seus estômagos ainda estavam cheios.

Usuários de Ozempic têm risco maior de complicações em cirurgia

Um dos mecanismos de ação dessa categoria de remédios é justamente retardar o esvaziamento gástrico, o que é vantajoso em um tratamento para emagrecer.

No entanto, quando o estômago não está vazio durante qualquer procedimento médico que envolva anestesia, há um sério risco de complicação, que é a regurgitação de conteúdo gástrico e aspiração pulmonar.

Complicação grave

"Este é um tipo de complicação potencial tão grave que todos que tomam este medicamento devem saber disso", disse à agência de notícias o anestesiologista Ion Hobai, do Hospital Geral de Massachusetts, em Boston (EUA), um dos primeiros a sinalizar o problema.

Em artigo publicado no mês passado no Canadian Journal of Anesthesia, Hobai e outros dois colegas, Philip Jones e Patricia Murphy, descrevem pequenos estudos observacionais que servem de alerta.

Um dos trabalhos citados envolveu pacientes em jejum que estavam usando semaglutida (princípio ativo do Ozempic) e foram submetidos a um exame de endoscopia, que exige um período de jejum e também sedação.

Maiores riscos

Os autores descobriram que esses indivíduos tinham cerca de cinco vezes mais risco de ter conteúdo gástrico residual do que aqueles que não estavam usando semaglutida.

O número de endoscopias, todavia, foi limitado — 33 em pessoas que usavam semaglutida e 371 em pacientes em geral. Houve oito casos de resíduo gástrico em pacientes que tomavam o remédio (24%) e 19% nos demais (5%).

Outros dois estudos também sugerem que pacientes em uso de semaglutida têm uma probabilidade maior de acumular resíduos gástricos mesmo após seguir a orientação de permanece em jejum.

Há relato, por exemplo, do caso de um paciente que tomava Ozempic e que havia feito jejum de 18 horas antes de uma endoscopia — que envolve sedação. Mesmo assim, teve aspiração pulmonar do conteúdo gástrico.

Alerta

A ASA (Sociedade Americana de Anestesiologistas) emitiu em junho diretrizes sobre o manejo pré-operatório de pacientes que estejam em uso de agonistas do receptor de GLP-1.

A entidade médica admite que há preocupações de que o retardo do esvaziamento gástrico causado por esses medicamentos possa aumentar o risco de regurgitação e aspiração pulmonar durante a anestesia geral e sedação profunda.

A orientação da ASA sugere a retenção dos agonistas de GLP-1 no dia do procedimento para pacientes em dosagem diária, e uma semana antes do procedimento para pacientes em dosagem semanal, a fim de prevenir potenciais complicações.

O documento também recomenda que anestesistas considerem adiar procedimentos em indivíduos que estiverem com náusea, vômito, distensão abdominal ou dor abdominal.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade