20 de Abril de 2024

Conheça 6 dicas para retomar o seu controle emocional

Segunda-feira, 27 de Março de 2023 - 04:15 | Redação

imagem
Conheça 6 dicas para retomar o seu controle emocional

Pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos em 27 países aponta o Brasil como 7º país mais intolerante. Cerca de 84% dos brasileiros veem o país dividido e 62% percebem mais intolerância hoje do que há 10 anos.

Já a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) representou o Brasil na pesquisa “Adaptação social em estresse na pandemia de Covid-19: um estudo transcultural”, que reuniu 24 países de quatro continentes.

A pesquisa observou temas como ansiedade, empatia, estresse, suporte e comportamentos sociais e culturais entre os vários países.

As 15.375 respostas mostraram que os brasileiros estão entre os mais estressados, comparados às pessoas de outros países. Entre as principais causas, destacam-se baixo nível de empatia, grande desgaste emocional pessoal, sofrimento e aumento do individualismo.

“Não à toa, temos visto com frequência pessoas perdendo o controle facilmente, apresentando reações desmedidas e, inclusive, tendo explosões de raiva por motivos banais”, afirma Danielle H. Admoni, psiquiatra geral, preceptora na residência da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM) e especialista pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Como avaliar

O desequilíbrio emocional é caracterizado por alterações frequentes e inesperadas de humor e pela facilidade em “sair do eixo” diante de acontecimentos negativos, sobrecarga e situações de imprevisto.

Segundo Danielle Admoni, pessoas emocionalmente instáveis não conseguem lidar com as adversidades da vida com serenidade. Ao encarar momentos que possam parecer normais aos olhos de qualquer pessoa, esses indivíduos apresentam uma irritabilidade desnecessária e fora do comum.

“A pessoa deixa as emoções falarem mais alto do que a razão e toma atitudes que seriam moralmente questionáveis, como arrumar briga no trânsito. Pode haver episódios de raiva que resultem até em agressão física”, alerta a psicóloga Monica Machado, fundadora da Clínica Ame.C e pós-graduada em Psicanálise e Saúde Mental pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein.

Em resposta ao emocional, o corpo se manifesta, apresentando sinais como dificuldade de concentração, foco e raciocínio; sintomas físicos, como dores de cabeça, dores musculares e problemas gastrointestinais; insônia e dificuldade para dormir, mesmo estando com sono.

Para a psiquiatra, estes comportamentos são uma forma inconsciente e irracional de pôr para fora os medos, as preocupações e os problemas que a pessoa não consegue verbalizar ou expor de uma maneira que lhe traga respostas e soluções.

“Um indivíduo que está com exaustão mental, passando por conflitos que vão além do seu limite emocional, não consegue guardar tudo para si mesmo o tempo todo. Se ele não tiver um meio de exteriorizar esta carga, ela se torna uma bomba-relógio, podendo explodir a qualquer momento”.

Saiba como recuperar

De acordo com Danielle Admoni, as emoções estão presentes em todas as situações da vida e, quando elas estão em desarmonia, é preciso buscar meios para reorganiza-las. Feito isso, será possível enfrentar as crises e os desafios de modo racional. Confira as dicas das especialistas:

Busque a origem do problema

Avalie o que está causando o seu desequilíbrio emocional. Excesso de trabalho? Crise no casamento? Problemas financeiros? Chegue na raiz de cada problema e encontre alternativas para resolve-los.

“Mesmo que não haja conclusões imediatas, só o fato de encarar o problema de frente e persistir na solução, fará você entrar novamente no eixo”, diz a psicóloga Monica Machado.

Jamais duvide de si mesmo

Não associe os problemas com o seu potencial e suas qualidades, pois isso irá te colocar para baixo, afetando sua autoestima e autoconfiança.

Todo mundo tem problemas, mas o que vai te definir é sua determinação e resiliência para supera-los. Encontre nas suas realizações a força necessária para se equilibrar.

Esteja no controle das suas emoções

Cuidado para não projetar e descontar seus problemas nas pessoas. Faça o possível para controlar a raiva, tristeza ou qualquer outro sentimento que te levem a reações agressivas por impulso.

“Ao perceber que está sendo dominado por uma emoção negativa, o ideal é se afastar e buscar formas de se recompor”, pontua Monica Machado.

Mexa o corpo

A prática sistemática do exercício físico está associada à ausência ou a poucos sintomas de ansiedade. Segundo Danielle Admoni, durante o exercício físico, o corpo libera hormônios e neurotransmissores, como serotonina, noradrenalina, endorfina e dopamina, que regulam o bem-estar, o humor, a memória, a concentração e o estresse.

“Além disso, o aumento da frequência cardíaca melhora o fluxo de sangue para o cérebro e estimula o sistema nervoso central, promovendo benefícios cognitivos, o que inclui a melhoria do raciocínio, da memória e até da facilidade em lidar com eventos estressores”, relata a psiquiatra.

Apenas respire

Dependendo do nível de ansiedade, a respiração fica mais superficial, com aumento da frequência e diminuição da profundidade.

“Isso altera o tônus muscular da cadeia respiratória, responsável por várias reações do corpo ao estresse. Ao praticar a respiração de forma correta, é possível regular o sistema nervoso e diminuir os sintomas físicos e emocionais”, afirma Admoni.

Uma das técnicas é a chamada respiração quadrada, que requer uma pausa de quatro segundos a cada respiração e inspiração. Inspire lentamente pelo nariz contando até quatro, pause por 4 segundos, expire pela boca contando até quatro e pause por mais 4 segundos.

Descubra-se na terapia

O caminho para lidar com o desequilíbrio emocional é o autoconhecimento, que pode ser aprofundado por meio da terapia.

De acordo com Monica Machado, ao se conhecer melhor, entender seus gatilhos, conflitos internos e padrões de comportamento, você estará mais preparado para equilibrar suas emoções e, consequentemente, suas atitudes.

“Vale lembrar que quem sofre com a instabilidade emocional tende a acreditar que se trata apenas de uma ‘personalidade forte’ ou da característica de sentir as emoções de forma mais intensa. No entanto, em muitos casos, esse desequilíbrio emocional pode indicar transtornos de personalidade e de humor que nunca foram diagnosticados. Daí a importância de uma avaliação detalhada para o tratamento adequado”, finaliza Danielle Admoni.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade