14 de Junho de 2024

Rússia, China e Irã iniciam exercícios militares navais no Golfo de Omã

Mais de 20 navios e embarcações participam dos exercícios

Terça-feira, 12 de Março de 2024 - 14:18 | Redação

imagem
Rússia, China e Irã iniciam exercícios militares navais no Golfo de Omã
Exercícios militares perto de Moscou em agosto de 2022 (Foto: Reuters/Maxim Shemetov).

As marinhas da Rússia, China e Irã começaram nesta terça-feira (12) exercícios navais conjuntos, denominados Maritime Security Strip 2024, nas águas do Golfo de Omã, área afetada por ataques dos rebeldes Houthis, do Iêmen, contra navios.

A informação foi confirmada pelo Ministério da Defesa russo, em comunicado divulgado na rede social Telegram.

Segundo a nota do ministério russo, "durante as manobras, os navios de guerra dos três países realizarão exercícios conjuntos e dispararão contra alvos aéreos e terrestres, além de praticar a libertação de um navio capturado por piratas".

Neste sentido, o comunicado dos militares russos disse que "mais de 20 navios, embarcações de apoio e embarcações de combate" estarão envolvidos nas ações.

A força naval russa é liderada pelo cruzador de mísseis Variag, navio-almirante da Frota do Pacífico, acompanhado pela fragata antissubmarino Marshal Shaposhnikov.

O porta-voz iraniano para essas manobras navais, almirante Mostafa Tajaddini, declarou à televisão estatal que os exercícios conjuntos visam "a promover a segurança e a cooperação multilateral", bem como mostrar a boa vontade e a capacidade naval dos aliados.

Tajaddini também afirmou que as ações têm, entre outros objetivos, o de melhorar o comércio, enfrentar "a pirataria e o terrorismo, apoiar atividades humanitárias e trocar informações na área de resgate".

Representantes das marinhas do Azerbaijão, da Índia, do Cazaquistão, Paquistão, de Omã e da África do Sul participarão dos exercícios como observadores.

Estes são os quintos exercícios navais russo-chineses-iranianos realizados no Golfo de Omã.

A chegada dos navios russos ao porto iraniano de Chabahar, nessa segunda-feira, coincidiu com notícias publicadas na imprensa da Rússia sobre a demissão do comandante-chefe da Marinha, almirante Nikolai Yevmov, após o afundamento de vários navios por drones navais (aparelhos não tripulados) ucranianos.

O diário Izvestia e o portal Fontanka noticiaram, no último domingo, que Yevmov foi substituído pelo comandante-chefe da Frota do Norte, almirante Alexander Moiseyev.

O porta-voz do Kremlin (presidência russa), Dmitri Peskov, recusou-se ontem a comentar as notícias.

"Existem decretos confidenciais. Não posso comentá-los. Não houve decretos públicos sobre esse assunto", justificou Peskov.

A nomeação de um novo comandante da frota russa é normalmente anunciada por decreto presidencial.

A confirmar-se a substituição, trata-se de importante remodelação no centro do comando militar russo.

Agência Brasil

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade