05 de Março de 2024

Maduro diz que magistrados nomeados pelo Parlamento serão presos

Segunda-feira, 24 de Julho de 2017 - 07:45 | Redação

imagem
Maduro diz que magistrados nomeados pelo Parlamento serão presos

O presidente da Venezuela Nicolás Maduro afirmou que os 33 magistrados nomeados na sexta-feira, 21, pelo Parlamento para substituir os juízes do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), considerados "ilegítimos" pelo órgão, serão presos "um a um" e terão os bens e contas bancárias congelados.

"Estes que nomearam, usurpadores que andam por aí, todos serão presos, um a um, um atrás do outro. Todos vão presos e todos terão congelados os bens, as contas e tudo mais. E ninguém vai defendê-los", disse Maduro durante seu programa semanal na televisão pública.

Um destes magistrados, Ángel Zerpa, foi detido no sábado (22) por agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional, em operação que foi qualificada como "terrorismo de Estado" pelo Parlamento, de maioria opositora e que acusou os juízes em exercício do TSJ de serem o braço judiciário do governo.

Protestos - Uma passeata em Caracas, em apoio aos 33 magistrados designados, terminou em confronto com a Guarda Nacional Bolivariana. A intenção dos manifestantes era chegar à sede do TSJ, mas passagem foi impedida a poucos metros do ponto de partida pelos agentes, que usaram bombas de gás lacrimogêneo.

Desde 1º de abril, uma onda de protestos contra o governo foi gerada após o Tribunal Supremo assumir as funções do Legislativo. Algumas decisões foram revogadas posteriormente. Até o momento, ao menos 100 pessoas morreram em episódios de violência relacionados com as manifestações, que frequentemente resultam em confrontos com as forças da ordem.

O encontro dos agentes aconteceu em Chacao, um reduto da oposição no leste de Caracas, com um grupo de jovens conhecido como "a resistência", que repeliu os ataques com escudos caseiros e também atacou os oficiais com diversos objetos. Em vídeo publicado nas redes sociais, o deputado opositor Miguel Pizarro denunciou o caso.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade