25 de Julho de 2024

Lula anuncia R$ 5,5 bilhões para universidades durante reunião com reitores

Investimentos não devem afetar greve de professores

Segunda-feira, 10 de Junho de 2024 - 12:22 | Redação

imagem
Lula anuncia R$ 5,5 bilhões para universidades durante reunião com reitores
Lula cumprimenta o ministro da Educação, Camilo Santana, durante reunião com reitores de universidades e institutos federais no Palácio do Planalto (Ricardo Stuckert/PR)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu hoje com reitores de universidades federais no Palácio do Planalto. O encontro, porém, não deve afetar as greves de professores e técnicos em instituições federais em todo o país.

O governo anunciou mais verbas para as universidades, mas os sindicatos de professores e funcionários em greve reclamam da falta de diálogo e esperam uma proposta melhor de reajuste salarial e de carreira.

Investimento

O  governo federal anunciou um investimento significativo de R$ 5,5 bilhões em obras do PAC destinadas à educação superior. Desse montante, R$ 3,77 bilhões serão alocados para as universidades federais e R$ 1,75 bilhão para os hospitais federais. Ainda, foi anunciada a criação de 10 novos campi, abrangendo todas as regiões do país.

As cidades que receberão esse dinheiro são:

  • São Gabriel da Cachoeira (AM)
  • Cidade Ocidental (GO)
  • Rurópolis (PA)
  • Baturité (CE)
  • Sertânia (PE)
  • Jequié (BA)
  • Ipatinga (MG)
  • São José do Rio Preto (SP)
  • Caxias do Sul (RS)

O valor é dividido em três categorias: R$ 3,17 bilhões serão destinados a obras de consolidação, que englobam aquelas previamente planejadas; R$ 600 milhões serão direcionados a obras de expansão; e R$ 1,75 bilhões serão destinados aos Hospitais Universitários.

No total, 338 obras já estavam planejadas, das quais 223 são novas, 20 estão em andamento e 95 foram retomadas. As novas construções correspondem a um investimento de R$ 1,5 milhões do total anunciado.

Durante a cerimônia, o ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou um acréscimo de mais R$ 400 milhões para custeio de universidades, distribuídos em R$ 279,2 milhões para universidades e R$ 120,7 milhões para os institutos federais.

O ministro também afirmou que o orçamento das universidades em 2024 será de R$ 6,38 bilhões, enquanto os institutos federais receberão um total de R$ 2,72 bilhões.

Greve

Segundo a Andes (sindicato nacional dos docentes das instituições de ensino superior), 62 instituições de ensino superior federal estão atualmente em greve, e mais 3 devem parar nesta segunda-feira (10). Os professores estão exigindo reajustes salariais e uma reestruturação de carreira que superem as propostas do governo.

Por outro lado, o Ministério da Gestão e Inovação declarou que encerrou as negociações com os professores com a proposta apresentada em 15 de maio. Além dos aumentos salariais, o Ministério também sugeriu alterações nas carreiras, com um impacto financeiro estimado em R$ 6,2 bilhões até 2026.

Participarão do encontro a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) e o Conif (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica). No entanto, esses grupos têm pouca influência sobre o início ou fim das greves, pois são órgãos de direção das instituições de ensino.

As entidades representativas dos professores não estarão presentes e afirmam, nos bastidores, que o movimento de greve prejudica os esforços do governo para chegar a um acordo. A categoria reclama da falta de diálogo e interlocução direta com Lula.

Há críticas também pelo fato de Lula não receber entidades mais representativas do setor, que tentarão alcançá-lo por meio dos participantes do encontro. O ponto central para os professores em greve é o salário. Mais verba para as universidades não resolve a questão. Entidades insatisfeitas com a proposta de reajuste do governo, como a Andes e a Sinasefe, não foram convidadas.

Os sindicatos veem o presidente como distante e acusam-no de abandonar o compromisso com o setor, que o apoiou nas eleições. Há frustração com o governo por "priorizar" a Proifes, única entidade que aceitou a proposta do Executivo para reajuste e reestruturação de carreira. A Proifes justificou sua decisão em seu site oficial, alegando que foi a opção menos pior.

“Foi opção mais acoplada na ideia do “melhor do pior”, do que apostar numa negociação que não teria resultados práticos, tendo em vista que o governo já definiu —e não só para a categoria da Educação—, que o orçamento de 2024 estava esgarçado até o limite”, diz a entidade em sua página.

SIGA-NOS NO Jornal VoxMS no Google News

VoxMS - Notícia de Verdade